Dr. João Daniel Caliman e Gurgel Otorrinolaringologia e Cirurgia Crânio-maxilo-facial Mestrado e Doutorado em Medicina

Telefone: 27 3371-6836

Matérias e Artigos

Comum no inverno, rinite pode comprometer desempenho profissional


Publicado em 26/07/2012

Segundo pesquisa recente, doença respiratória faz com que 44% dos brasileiros faltem ao trabalho ou percam produtividade. Tais prejuízos, entretanto, poderiam ser evitados pelas empresas


Rodrigo Capelo/MBPress - Você/SA


Estudo realizado em 2008 e divulgado recentemente durante o XIX Congresso Mundial de Otorrinolaringologia, em São Paulo, mostra que 44% dos brasileiros faltam ao trabalho devido à rinite alérgica. Caso decida permanecer trabalhando durante as crises provocadas pela doença, o profissional ainda está sujeito a perder 40% do seu desempenho.

A pesquisa, intitulada “Alergias na América Latina” (AILA), obteve o relato de 1.088 adultos em oito países. No Brasil, foram feitas entrevistas em oito capitais. Os resultados mostraram, também, que a incidência da rinite cresce nos meses mais frios do ano. Para 33% dos entrevistados, os sintomas agravam-se em junho e para 35%, em julho.

Essa peculiaridade da doença está ligada a uma série de fatores. A diminuição da umidade do ar nesses períodos, sobretudo em grandes cidades, faz com que a poluição concentre-se. As quedas bruscas de temperatura diminuem a capacidade de defesa do sistema imunológico.
Ambientes fechados e, logo, menos arejados, também contribuem para o aumento na transmissão de rinites infecciosas. Todos esses elementos facilitam a propagação de ácaros e poeira, principais causadores da rinite alérgica. Mas tudo isso poderia ser evitado, ou pelo menos atenuado, caso as empresas tomassem alguns cuidados.

Dentre as falhas cometidas pelos gestores, destacam-se a falta de regulagem e limpeza dos equipamentos de ar-condicionado e a utilização de carpetes, facilitadores da existência de ácaros. “Muitas corporações possuem ambientes impróprios para o indivíduo que sofre de alergias”, afirma o otorrinolaringologista Eric Thuler, especialista em rinossinusite (processo inflamatório resultante da composição de sintomas da rinite e da sinusite).

Tais escolhas, aparentemente econômicas, podem culminar em prejuízos financeiros, uma vez que os funcionários rendem menos. “A rinossinusite afeta muito a respiração durante o sono”, explica Thuler. “A pessoa tende a dormir muito mal, e a concentração e a disposição para trabalhar caem no dia seguinte.”
Vítima de crises alérgicas periódicas, a secretária geral do Colégio Santo Américo, de São Paulo, Sandra Regina Esperança, 39, conta que a instituição aboliu o uso de carpetes. “Há algum tempo tínhamos um setor com esse tipo de piso, mas a limpeza era muito difícil de ser feita, nunca ficava bom, e a poeira sempre continuava lá”, descreve.

Para evitar que o desempenho no trabalho fosse prejudicado pela rinite, Sandra adotou medida similar na própria vida pessoal. “Troquei os carpetes da casa inteira e o resultado foi muito satisfatório”, comenta. “A frequência das minhas crises caiu bastante.”

A solução para coibir a perda de produtividade, portanto, é investir em um ambiente mais saudável para os funcionários. O colaborador alérgico, por sua vez, deve procurar auxílio médico e tratar a doença assim que os primeiros sintomas aparecerem.


O que é rinite?

Rodrigo Capelo/MBPress
Para evitar que doenças alérgicas prejudiquem o desempenho no trabalho, é necessário entender como elas atingem o organismo e o que fazer para amenizá-las.

A rinite é a inflamação da mucosa de revestimento das cavidades nasais - ou seja, o interior do nariz. Ela pode ser causada por algum vírus, bactéria ou irritação. Os sintomas mais comuns são a obstrução nasal (nariz entupido), espirros, coceira nasal, coriza (nariz escorrendo) e diminuição do olfato.

Caso esteja associada à gripe, a inflamação ainda pode causar febre, dores de cabeça e garganta e tosse. Assim, esses efeitos podem gerar fadiga, falta de ar, irritabilidade, dificuldade de concentração e sonolência, todos amplamente prejudiciais à produtividade.

Apesar disso, a rinite é incapaz de matar uma pessoa. “Não há relatos de morte por influência direta”, explica o otorrinolaringologista João Daniel Caliman e Gurgel. “Existe a diminuição da qualidade de vida dos pacientes portadores de rinite crônica, além da maior predisposição a outras doenças nas vias aéreas superiores.”

Contudo, segundo o especialista, não há cura permanente para a alergia. A prevenção, por meio de higiene, é a medida mais recomendada. Se a doença já estiver presente, é possível utilizar sprays nasais, antialérgicos orais, vacinas para alergia e outros medicamentos, sempre após orientação médica.

Eventos

Fique por dentro.
Advances in Rhinoplasty - Avanços em Rinoplastia

Em um dos maiores e importantes cursos de Rinoplastia do ...

1º Curso de Capacitação em Avanço ...

Palestra ministrada: Evidências científicas do Avanço Maxilomandibular   O Departamento de ...

46o. Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia e ...

Palestras ministradas: Mentoplastia: qual o papel no tratamento da SAOS (Síndrome da Apneia Obstrutiva do ...

confira todos os eventos